31 agosto 2007

DESEMBRARCANDO NUMA PRAIA DE NECESSIDADES

"Desembarcando, viu Jesus uma grande multidão, compadeceu-se dela e curou os seus enfermos." (Evangelho de João, 14:14)

Nesse único versículo que precede o milagre da multiplicação dos pães e peixes, Jesus realiza quatro ações absolutamente complementares. Diante da grande multidão num momento de fome, cansaço, e (em alguns casos) doença; Jesus resolve: (1) desembarcar, ou seja, sair da sua zona de conforto, do ambiente seguro (o barco), pois se encontrava diante de uma grande necessidade. Depois ele (2) viu essa necessidade, a multidão famigerada, ansiosa pelo pão que supre o corpo, mas, principalmente, por aquele que sacia o homem todo: o Pão que vem do céu. Mas essa visão não seria suficiente se restrita ao ato descomprometido da pura percepção visual (vemos pessoas famintas e sem significado de vida em cada esquina de nosso cotidiano). Continua o texto dizendo, porém, que Jesus além de ver, (3) se compadeceu. De fato, sem a disposição para "desembarcar" de nosso conforto e para assimilar a "visão" que enxerga a realidade, não tem como haver compaixão que é, como muito bem explicou Rubem Alves, "colocar o meu coração junto ao coração de quem sofre". Por fim, essa identificação com a angústia do outro levou Jesus à ação, pois ele (4) curou os enfermos. Se o sentimento não nos leva à ação, nos tornamos idealistas comprometidos, tão somente, com a elucubração de um mundo melhor que certamente não terá o cheiro do nosso suor, tampouco o bom perfume do Cristo revelado a nós.

Assim como outras iniciativas sociais da nossa igreja ao longo dos 12 anos de história, nasce agora o "Projeto Educação", o primeiro dentre outras iniciativas (ainda em fase gestacional), parte de um grande movimento social (ou despertamento social, como queiram) no seio da nossa comunidade. O contato com as nossas cercanias, suas realidades e necessidades tem nos sensibilizado e, finalmente, nos levado à ação. Mas essa não pode ser uma ação só de poucos, ou só da Junta Diaconal, ou de meia dúzia de voluntários mais "conscientes". Isso é trabalho (ou vocação – não sei por que insistem em separar essas duas coisas) de toda a igreja, ou seja, meu e seu!

Permita-se experimentar uma vida no Espírito que "frutifica" do Espírito. A evidência desse fruto é, mais do que línguas, profecias, visões e curas (que são dons), tão somente o amor (Gálatas 5:22). Amar é... Atitude, escolha, vontade, renúncia e etc.

Faça parte desse mover do Espírito de Deus no nosso meio. Ele há de usá-lo(a) independentemente da sua formação, especialização ou limitação. A capacidade (e a capacitação) é de Deus, nós somos os instrumentos. O importante é a disposição para "desembarcar", "ver", "se compadecer" e "agir". Procure a Assistência Social da igreja (3249-2010 – no horário comercial) e saiba mais sobre como participar.

Um grande abraço de quem certamente estará ao seu lado nessa empreitada.

Seus pastores, Carlos Alberto e Mario.

1 Comments:

Anonymous Ulisses said...

Ei pastor, se der, tenta repassar para os PG's os detalhes desse "despertamento social". Vamos ver se nos estruturamos para servirmos da melhor maneira possível. Valeu por ter adicionado a gente nos links! Abração e fica na PAZ!!!

8:35 AM  

Postar um comentário

<< Home